São Capturas todos os olhares …

Mulheres

PodEntrar! Joaquina Pinheiro.

© Todas as fotos incluídas neste site, estão sob a Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Uso da imagem somente com autorização do autora Nádia Jung

OBRIGADA,

Nádia.


Oblíqua Existência!

“Foi ontem. Ou terá sido hoje? talvez nem tenha sido sequer. ´As vezes confundo-me com as horas, os dias, os anos; às vezes fundo-me com as horas, os dias, os anos.“

NadiaJung_Fotografa.GrandTasting 650


Saho dans le métro!

Nadia Jung.njungII 070

hahahaha…

Mais no endereço do FLICKR

PRETOnuBRANCO - Série Nádia Jung -

Imagem

Portraid!

jungNadia.

Melhor que fotografar modelos, é poder captar a personalidade de cada uma através de suas expressões e movimentos.

Rafael Pavarotti fotógrafo


Imagem

Pés Descalços!


Imagem

Respire la sensualité!

NADIA JUNG


Da série – “Mesmo Quando A Boca Cala“ – Nádia Jung

NADIA JUNG PHOTOGRAFER


© Todas as fotos incluídas neste site, estão sob a Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Uso da imagem somente com autorização do autora Nádia Jung

OBRIGADA,

Nádia.

https://www.facebook.com/FotografiaPhotografer


Fornicação!

Tenho trabalhado essa palavra..Tenho `viajens` a propósito disso EXCLUSIVAMNETE, a lista de lugares, excluindo “aqueles“ próprios;especificos do nosso conhecimento, então a busca de coisa diferente! Não tão “na cara“.

Vou ao jardim botânico e vejo aqueles miolos de flores exóticas…e nada!

Vejo as estátuas  que parecem que come solto entre estátuas equestres, a cópula…

os pombos na rua seguindo um ao outro, e…quase la!

Chegou até um homem de nariz pretuberante me fazer pensar, mas não tive plena motivação!

Só peço “sorry“de ir contra o que deseja o navegante,mas dessa vez a fornicação tema será esse então resultado:

Nadia JUNG


Sou!

Sou o que sabe não ser menos vão
Que o vão observador que frente ao mudo
Vidro do espelho segue o mais agudo
Reflexo ou o corpo do irmão.
Sou, tácitos amigos, o que sabe
Que a única vingança ou o perdão
É o esquecimento. Um deus quis dar então
Ao ódio humano essa curiosa chave.
Sou o que, apesar de tão ilustres modos
De errar, não decifrou o labirinto
Singular e plural, árduo e distinto,
Do tempo, que é de um só e é de todos.
Sou o que é ninguém, o que não foi a espada
Na guerra. Um esquecimento, um eco, um nada.

Jorge Luis Borges


Mulheres !

Paquitaneses.
Mulher Bérbere.